quinta-feira, 30 de maio de 2013

O MAGESTOSO COLEGIO NOSSA SENHORA DO BOM CONSELHO - BEBEDOURO-MACEIO-AL

Colégio Nossa Sra. do Bom Conselho - Foto: Ex-aluna Maria Aparecida Araújo
Eneida Cox - 1960
 faleceu em 20/06/2009
Passeando pela internet em busca de informações sobre o Colégio Nossa Senhora do Bom Conselho, encontrei um texto postado por Apolinário Júnior, onde ele fala a respeito da minha saudosa e querida professora Eneida Cox. O texto apresenta alguns exageros, mas convenhamos, a professora Eneida era muito exigente e cobrava dos alunos a máxima atenção as suas aulas. Ela gostava de quem tirava boas notas, isso eu sei. Gostei tanto do texto que copiei até os comentários. Guardo muitas recordações do casarão que abrigava as alunas internas do antigo Asylo das Órfãs, depois Colégio Bom Conselho, atualmente desativado. E aí está a foto da Professora Eneida Cox, tal como foi descrita.

"Ao Mestre com carinho." Texto deApolinário Júnior
A história que eu vou contar hoje certamente dividirá opiniões. Pode causar estranheza, mas ainda assim preservo a esperança de conseguir passar o lado poético - e cômico - como o que guardo na lembrança. Lado poético até no significado do nome da homenageada, “Eneida”, que lindamente significa: “Nome de um poema épico”. Como parte do elenco de apoio dessa saga, apresento um pouco do que representou essa inesquecível história para todos os privilegiados que dela, de alguma maneira, fizeram parte...
Algumas das alunas da Prof. Eneida Cox
Ninguém sabe exatamente onde começou, visto que D. Eneida Cox, educadora por vocação e principalmente por opção, durante sucessivas décadas, ministrou a matéria de geografia no Colégio Nossa Senhora do Bom Conselho, no bairro antigo de Bebedouro, em Maceió, Alagoas. Curiosamente foi Mestra e serviu de referência para a maioria das suas colegas de trabalho. Formava as professoras no curso de “Magistério” e anos depois lá estava a trabalhar com algumas delas, incluindo nesse time de ex-alunas a própria Diretora e a Coordenadora do colégio na época em que estudei lá. Os pais de alguns dos seus alunos também passaram pela sala de aula dela e mesmo assim a palavra “aposentar” não era vista com bons olhos, quem ousaria mencionar isso perto dela? Nem pensar!


A idade – cronológica - dela ninguém nunca soube ao certo, apenas estimava-se... especulava-se... pelos cálculo dos alunos da minha época deveria ter mais de 100, pois conservava-se no “formol” (Pura maldade adolescente)! Mas nada era muito exato, exceto a certeza que em se tratando de D. Eneida era bom ter muito cuidado, ou melhor, todo cuidado ainda era pouco! Era ortodoxa. Ardilosa como uma raposa, destilava sua deliciosa intransigência e seu temperamento austero aos berros, que muitas vezes ecoavam desde os corredores até a sala de aula... firmes e desconcertantes. Parecia um furacão! Tinha um biotipo europeu, alta, esguia, cabelos negros lisos – corte tipo Chanel - pele clara, voz sempre impostada e firme, sem falar das marcas registradas: o óculos imenso, a saia sempre cumprida e o lenço guardado entre os seios fartos! Lembro muito das mãos espalmadas, com unhas grandes que vez por outra eram fincadas como lanças em nossas cabeças, como aquela dor de consciência que chega impiedosa quando fazemos algo de errado!

Uma figura D. Eneida... quando entrava na sala, impreterivelmente ao cruzar a porta, todos os alunos deveriam levantar e sem mais delongas entoar um alegre e respeitoso: “Bom dia, Dona Eneida”! Claro que com o passar dos meses a intimidade já permitia que o tom respeitoso fosse sutilmente substituído por uma entonação levemente debochada... mesmo cientes dos riscos proporcionais que corríamos de sermos chamados, na cara dura, de “MALOQUEIROS”. Aliás, arrumar apelidos era uma das suas especialidades, tinham vários: “macaco”, “zebra”, “olho de pitomba lambida”, “Sururuzeiro(a)”, “ladrão de nota”... isso dependeria do comportamento e das notas das provas. Lembro muito da gargalhada espalhafatosa que acompanhava as tantas asneiras que ela dizia durante suas aulas... Era generosa com os garotos. Ser menino já era meio caminho andado para ganhar sua simpatia, diziam, mas na verdade tinha mesmo era que estudar, pois no fim das contas – ou das notas - não aliviava a pancada pra ninguém...

Provinciana, D. Eneida exigia das meninas uma postura de moça de engenho! Deveriam ser comportadas, recatadas, não usar batom, nem pintar as unhas com cores fortes... Ficava louca quando via isso acontecer e dependendo da cor do “desaforo”, ela mesmo, com seu lencinho antológico, arrancava com violência o batom da boca sensual das moças... mas podia mandá-las fazê-lo sozinhas, no banheiro também... as vezes, quando mais contida, apenas reclamava e aproveitava para passar “aquele velho sermão de tia velha”! Mas estava longe de ser pudica. Ria e as vezes falava umas bobagens impagáveis, disse uma vez, por exemplo, que usava saia porque gostava do ventinho que entrava por baixo...

Suas aulas eram únicas. Ninguém abria livro, ninguém anotava nada! Ai daquele que abrisse um caderno enquanto ela estivesse falando! Existia apenas um soberano mapa mundi aberto ao centro e a voz de D. Eneida invadindo nossos ouvidos! Seu conhecimento se confundia com sua visão de mundo, com sua personalidade forte! Era fascinante pra mim vê-la ensinar como se estivesse contando uma história particular, familiar, íntima... Literalmente abria novos horizontes... impulsionava nossa imaginação... nos provocava e instigava da forma mais original que você conseguir imaginar agora. Seus métodos de ensino - que certamente seriam contra-indicados para a geração de hoje - iam num sentido completamente inverso ao convencional, já naquele contexto!

Apresentava o conteúdo, revisava na aula seguinte e depois partia para as perguntas em sala... nessa hora ela sempre dizia: “Tem gente aqui igual a goleiro no campo de futebol, se eu vou pra um lado, corre pro outro pra se esconder...”. Dizia com um ar jocoso e o melhor era quando tinha a interpretação acompanhando a cena!!! Ninguém conseguia se manter tenso por muito tempo e acho que no fundo ela sabia bem como dosar sua sistemática rigorosa para que nunca permanecesse presa a um lado só! Mesclava as coisas entre a sua potencial intransigência e muito bom humor, que hoje, anos depois, parece mais explícito que nunca!

Suas provas eram tão originais quanto. Originais pra não dizer o mínimo! Fazíamos os mapas do continente que fora estudado no bimestre em casa, decalcávamos do Atlas e na hora "h", após mudar todas as cadeiras de lugar, ela ditava as temidas 10 questões: 05 abertas, 05 para serem localizadas nos mapas... saíam ali, na hora, de improviso! Tinha a pergunta do noticiário também! Tínhamos que assistir aos principais... “Jornal Nacional” e “Fantástico” eram os preferidos. Inclusive, fazia muitas perguntas sobre eles na segunda-feira!

O dia de divulgar o resultado das avaliações era um pandemônio! Ela pintava o diabo! Da porta mesmo gritava: "Estou decepcionada, aqui só tem maloqueiro, não serve pra estudar, melhor é ir vender tomate na feira, tá tomando o lugar de quem tem interesse em ser gente"! Começava a entrega sempre pelas notas mais altas, deixando as menores por último, pro granfinale... o desespero ia tomando conta da gente quando ela chegava nos 7,0 e o nome do aluno ainda não tinha sido chamado... em algumas vezes cheguei no 6,5, quase enfartando, mas me livrei, pois de 5,0 pra baixo a vingança era digerida quente mesmo... todos eram intimados a posicionar-se na frente do quadro negro, como num paredão da morte, ouvindo toda sorte de bobagens que viessem a cabeça dela... e queria ouvir as justificativas... e ao ouvi-las ficava ainda mais furiosa, gesticulando bastante!

Como toda alegria tem "um quê" de crueldade, aqueles que estavam salvos morriam de rir... até os potenciais "humilhados" prendiam o riso mediante a chuva de abobrinhas. Ela repetia: "Ou vocês viram gente, ou vão catar sururu na lagoa"! "Se não passar de ano vou expulsar do colégio, aqui só fica quem quer alguma coisa"! "Vocês são ladrões do bolso dos pais de vocês, pegam o dinheiro e não estudam"! ...rs... desculpem aos que estranharam os métodos, mas chorei de rir ao relembrar daquelas cenas!!! Tenho certeza que ninguém guardou mágoa e pra provar isso, reescrevo abaixo algumas das experiências passadas por ex-alunos da AMADA D. ENEIDA COX, extraídas da comunidade do orkut: "Colégio Bom Conselho", no tópico D. Eneida!

Abram o coração e entendam mais sobre essa época que me marcou pra sempre:

“Lembro que uma vez ela ia aplicar prova, passou pela minha amiga e já foi berrando: "levante essa blusa que eu sei que tem uma pesca aí"... A menina ficou branca de vergonha, e teve que levantar a blusa até quase o sutien pra mostrar pra ela que não tinha pesca nenhuma lá... Apesar de todas essas resenhas, eu gostava dela, porque eu tinha tanto medo de reprovar na matéria que vivia estudando... Até hoje tenho um papel com o nome dos países, as capitais e suas moedas. Uma coisa a gente tem que admitir... Vá lá que ela ensinou todo mundo da minha casa (desde a minha mãe!), mas a mulher sabia das coisas e sabia ensinar! Quem soube aproveitar, aprendeu! "

"Na época eu não gostava dela não, tinha verdadeiro pavor quando ela apontava no corredor. O lance dela eram os meninos, porque as meninas ela xingava mais!!! Uma vez eu estava no corredor conversando com uma amiga, ia tocar o intervado, como tinha cabelos longos, ela nao perdeu tempo: "ô macaquinha, esse seu cabelo deve estar cheio de piolho!!!Manda catar!!!" Eu fiquei vermelha de raiva, mas quem era doido responder!!! Hoje digo sem pestanejar que foi a melhor professora que já tive. Lembro que ela dava aula sem nada, usando só o conhecimento que tinha. Poucas vezes e que ela usava um livro velho (mais velho que ela, kkk), mas tudo que ensinava vinha da cachola dela mesmo. Vamos combinar, ela era inteligentíssima!!!"
"Eu fazia acho que a 8ª série em meados de 95, estava fazendo natação então raspei a cabeça pra competir, adivinhem o que ela fez quando me viu? Eu sentava na cadeira em frente ao birô dela, quando me viu fez um escândalo, disse que eu parecia um maloqueiro, me deu um "telefone" nas orelhas e me expulsou da sala... nunca passei tamanha humilhação! É verdade! Depois da aula ela me chamou e pediu desculpas! Disse que por eu ser um bom aluno eu poderia ainda frequentar a aula dela já pensou?"


"Já passei pelos dois lados... Já fui chamado de Imperador, um exemlpo para todos quando tirava 10,00 e de "sururuzeiro" quando tirava abaixo de 5,00... era uma verdadeira farra! Muito boa as aulas da D.Eneida."


"...me formei em 1986, tive a oportunidade de conhecer esta lendária professora, uma figura inesquecível, devo admitir que ela além de ensinar muito bem, me ajudou a desenvolver hábitos como assistir a jornais com frequência e viajar observando as mudanças de paisagens, de clima e tudo o mais... mas quando ela queria acabava com qualquer um que cometesse um deslize qualquer, não gostava disso nela... mas acabo por dar risada quando conto aos meus amigos aqui de Minas Gerais como eram as aulas dela."

"A D. Eneida é um fenômeno que, acredito, ninguém jamais esquecerá. Eu morria de medo dela, mas, confesso, tenho saudade de suas loucuras e de ser chamada de "cara de lua cheia" quando não prestava atenção às aulas."

"Dona Eneida figurinha! Certa vez aconteceu que faltei a aula dela na segunda de manhã porque estava doente (detalhe: era a segunda das 8ªs irem para quadra, pra cantar o Hino). Era a própria que ficava olhando o comportamento dos alunos no hasteamento da bandeira e logo nesse dia alguém resolveu fazer gracinhas... ela entendeu que tinha sido alguém da 8"A" então não perdeu tempo, tratou logo de agendar pra segunda-feira da semana que viria para que todo aluno da classe fosse individualmente até o birô dela e cantasse o Hino Nacional e o Hino do Colégio... rs... e detalhe: não poderia errar nem a entonação. Seria "0" ou "9,0"... fala sério! Só a dona Eneida mesmo... deixou todo mundo louco ensaiando a semana inteira inclusive eu que não tinha nada a ver com a historia."

"Alguém pode achar que era impossível pescar nas provas da D. Eneida, mas isso era possível sim!!!! Quem lembra do esquema das provas? 10 questoes: 5 de mapas e 5 questões abertas. Só que os mapas nós mesmo fazíamos usando carbono ou decalcando. Tinha gente que fazia pontinhos nos mapas e apagava (ficava as marquinhas), porque já imaginava o que ela pediria para localizar (penínsulas, capitais ou algum acidente geográfico). Já nas perguntas abertas, era so escrever nas margens bem pequininho e depois apagar. Ela não enxergava bem, então... Se eu falar que nao usei um desses artificios estou mentindo. Usei sim, apenas uma vez, mas fiquei tremendo de medo que ela pegasse, entao vi que nao valia a pena ter um ataque cardíaco. Era mais lucrativo estudar. E foi , pois tudo que sei de geografia ate hoje é graças a D. Eneida!!!"


"EU JÁ TIREI 0,0 NA DONA ENEIDA!!! ESSA NOTA FOI A MENSAL, FUI CHAMADO PARA A FRENTE DA TURMA, PENSE NA VERGONHA... ELA TIROU AQUELE VELHO ÓCULOS E COMEÇOU A PERGUNTAR SE EU NÃO TINHA VERGONHA DE TIRAR UMA NOTA DESSAS. EU FIQUEI VERMELHO, AZUL, AMARELO... DE TODAS AS CORES!!!! NA NOTA BIMESTRAL ESTUDEI FEITO UM CONDENADO E TIREI 8,5... FUI CHAMADO DO MESMO JEITO PRA FRENTE DA SALA E AINDA FUI CHAMADO DE "LADRÃO"... ELA DISSE QUE EU ROUBEI OS 8,5 QUE TIREI...KKKKK... ISSO FOI EM 1995.. RESUMINDO PERDI O ANO NA MATÉRIA DELA..."


"Só tenho admiração por essa pessoa que marcou a minha história dentro do Colégio Bom Conselho. Infelizmente hoje temos poucos professores tão comprometidos com o futuro de seus alunos como D. Eneida era. Tenho muito que agradecê-la pela sua preocupação com o aprendizado de cada um, mesmo do jeito q ela fazia - sob pressão."

"Se não fosse ela, tenho certeza que muitos de nós não assistiriam o Jornal Nacional ou outros telejornais, criando assim o hábito da informação e da atualidade, que os concursos sempre exigem...rsrsrs... Sou muito grata a Mestra Eneida !!! Espero que ela consiga passar sua sabedoria , mesmo longe da sala de aula, a muitos alunos no seu caminho."

"Quem não tremia? "Uma flor de pessoa". Seus métodos próprios de didática. Afff! Mas não vou mentir que sinto saudades dela! Uma coisa que não sinto saudade é da régua que ela usava em algumas ocasiões. Ui. Ela, os mapas, a régua e os gritos. Parecia uma ditadora! Sempre que vejo o clipe de "Another breaking the wall" do Pink Floyd, me lembro das aulas dela. Claro que numa escala diferente, mas lembra. Todos durinhos, sentados nas suas carteiras, sem mover um músculos sequer."

"Lembro-me uma vez, que a noite, assistindo desenho na tv, vi um epsódio dos super amigos e nesse desenho o navio Titanic virava um mostro e o unico jeito de derrotá-lo era da mesma forma que ele afundou! No dia seguinte tive aula de geografia, durante a aula, por coincidência, ela perguntou pra todos como o Titanic tinha afundado (acho que fui o único que assitiu ao desenho) pois só eu levantei o braço pra responder... foi resenha, ainda mais depois que eu contei como sabia disso! Mas eu gostava da aula dela, isso eu tenho que admitir... foi por causa das aulas dela que eu tenho coragem pra estudar hoje!"

"Nossa!!!! quando ela entrava na sala de aula era incrível o "bom dia" dela, chamando a todos de macacos, uma vez eu inventei de ir para o colégio de batom cor de rosa e eu sentava na primeira fila. Não demorou e ela fez eu tirar o batom na frente de todo mundo, que mico! Fiquei com ódio dela naquele dia, mas depois fui acostumando... até o dia que tirei nota 5,0 na prova! Minha gente, ela já chegou perguntado "quem era Dilma"! Quando viu que era eu, me chamou de bruxa, macaca, ladra do bolso do meu pai... fiquei com trauma de Geografia até hoje. É muito bom lembrar do Bom Conselho mais lembrar de dona Eneida é bem melhor"

"LEMBREI DE UM DIA EM QUE ELA IR SUBINDO AS ESCADAS DO PÁTIO PARA A SALA DE AULA E CUMPRIMENTOU A TODOS COM O FAMOSO " BOM DIA MACACADA!" E QUAL NAO FOI A SUA SURPRESA QUANDO ALGUÉM RESPONDEU : " BOM DIA MACACA VELHA!"... PENSEM NA CONFUSÃO! MAS BRINCADEIRAS A PARTE ELA FOI UMA EXCELENTE PROFESSORA DE GEOGRAFIA."

"Outra coisa que lembrei é que teve uma época que D. Eneida proibiu todos nós de irmos a praia! É que havia uma suspeita de contaminação de cólera no nordeste e ela determinou que ninguém iria a praia! Quando tinha alguém queimadinho do sol na segunda-feira, era um lição de moral horrível...rsrsrsrsrsrsrsrs!"

"Ela me chamava de coelha (kkkkkk) porque sou um pouco dentuça! Graças a Deus nunca passei pelo vexame de ser fuzilada lá na frente por conta de notas baixas, mas me acabava de rir quando ela chamava os apelidos: catadora de sururu, ratazana, ladra, fedorenta, preguiçosa e até o meu mesmo. Eita tempo bom!!!! Adorei aqueles anos que estudei o magistério lá. Terminei em 92."

"Com certeza vai deixar saudades.....tive o prazer de ter D. Eneida como minha professora por 3 anos, aprendi muito com ela. Se hoje eu sei procurar algum país ou continente no mapa, foi graças a D. Eneida... toda segunda ela tinha que perguntar sobre o Fantástico, quem não soubesse, ela ficava uma fera e chamava de burro. Já fui chamado de ladrão por ela, porque tirei note boa na prova mensal e na bimestral, nota vermelha... ela me chamou na frente da sala e só não me chamou de bonito... nesse mesmo ano eu perdi, no ano seguinte ela foi contar essa história pra todos da nova turma, que era um ladrão de notas, que tinha roubado as notas dela... foi muita resenha... SAUDADES!!!!!!!!! Com certeza a melhor professora de Geografia que játive na vida."

"Gente, alguém lembra do dia que riscaram o carro dela com um bocado de palavrão???? Estudei poucos meses com o ela, porém o bastante pra ver que era uma figura, fazia qualquer um pagar mico e sem falar dos modelitos que usava.Tempo bom!"

A professora Eneida faleceu no último dia 20 de junho de 2009... dessa vez não pôde finalizar o ano letivo, se despediu de nós bem antes, deixando saudades e levando consigo a tranquilidade da certeza de uma missão cumprida! Tenho vontade de voltar ao Bom Conselho, percorrer seus corredores, refazer aqueles caminhos que me eram tão comuns... Tenho certeza que por lá ainda é possível ouvir o nosso tradicional: "Bom dia, D. Eneida", que foi repetido por gerações naquele espaço, contribuindo para a imortalidade da melhor professora que tive em toda minha vida estudantil! Me orgulho de tê-la conhecido.

Ah, e antes que eu esqueça, nunca tirei nenhuma nota baixa na prova dela, nunca fui coadjuvante daquelas tragédias gregas que ela proporcionava pra turma... INFELIZMENTE!

3 comentários:

  1. Que maravilha de achados ! Minha querida delegada. Com toda essa informação postada, refleti, se bem pudera criar um bom roteiro para merecido documentário. Que figura linda a Dona Eneida. Tudo de bom.

    ResponderExcluir
  2. Deus do céu!!! Que achado incrível. Existe alguma comunidade dessa geração de estudantes do CBC?

    ResponderExcluir
  3. Sueli De Barros Correia13 de julho de 2016 08:42

    D.Eneida é inesquecível! Estudei com ela durante 3 anos.Ela só me chamava de Olho de Gato.Nunca passei pelo vexame de ter que ir lá na frente por ter tirado nota baixa nas provas dela. Mas ria muito dos seus comentários e xingamentos."Pra que D.Eneida eu vou estudar, se eu vou ser vendedora de sururu, dizia ela.Tinha uma colega que gostava de batom vermelho e ela ao avistar a pobre já ia logo chamando-a de boca de formiga. Ela era única em tudo o que fazia. Suas aulas, seus conselhos. Lembro-me que quando estava no terceiro ano magistério (tivemos o privilégio dela ser patrona da nossa turma), ela nos dava muitos conselhos, pois na turma tinham muitas meninas noivas, inclusive eu. Ela dizia, olhem quando pegarem o diploma, não é pra casarem logo não. O primeiro marido da mulher deve ser um emprego, o dinheiro. Só depois pensem em casar.Lembro disso até hoje. Ela pegava muito no meu pé.Era olho de gato pra lá, olho de gato pra cá. Ainda mais que eu era uma das internas, qualquer coisa ela dizia: vou dizer a Cristininha ( Ir.Cristina)viu Olho de gato. Mas o meu medo dela nunca foi maior que o respeito e a admiração que eu tinha por ela. Me orgulho em ter sido aluna dela, aluna do C.B.C. Foram 8 anos de muita aprendizagem. Entrei no Colégio no ano de 1986 e só saí quando terminei o Magistério em 1993.Guardo muitas recordações boas daquele lindo e organizado colégio, E da D.Eneida então!Oh saudade...!!

    ResponderExcluir