terça-feira, 18 de junho de 2013

MOVIMENTO POPULAR CONTRA O AUMENTO DAS PASSAGENS DE ÓNIBUS MUDA O FOCO. AGORA A POPULAÇÃO REINVINDICA OUTRAS PRIORIDADES

20 de junho de 2013 

Manifestação popular consegue a redução do preço das passagens de ônibus, mas muda o foco do movimento e agora os manifestantes reinvindicam melhores condições de saúde, segurança e educação.
A população continua na rua e nada pode impedir a força dos ativistas 

17/06/2013
Vários estados brasileiros participaram de movimentos inicialmente pacíficos em quase metade dos estados da federação; Durante o ato cívico houve tumulto. De um lado a policia militar tentando restaurar a ordem, do outro, grupos radicais infiltrados no movimento para promover o caos.
Foto colagem = Maria Aparecida Araujo - clik para ampliar
O fato ocorreu durante o período da Copa das Confederações; A falta de maturidade, de bom senso e por que não dizer a diarréa mental levou pessoas, consideradas como parte da classe de gestores a contribuírem para a convocação da sociedade organizada, decretando o aumento das passagens. O movimento visa combater o abuso do poder econômico das empresas. Em consequência, a sociedade trouxe para o movimento o grito de revolta contra a corrupção e outros problemas sociais, tendo os baderneiros de plantão promovido a pichação e depredação de predios públicos.




Em Maceió, Marcos Antônio, de 16 anos  terminou baleado durante a marcha realizada na tarde desta segunda-feira, dia 17, na Avenida Fernandes Lima, no Farol. Estudantes e integrantes de movimentos sociais protestavam contra a possibilidade do aumento da tarifa do transporte público quando um homem desceu de um veículo a atirou contra a multidão. Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) encaminhou a vítima para o Hospital Geral do Estado (HGE). O prefeito identificou a viatura que transportava o atirador que atingiu o estudante. O carro era da Superintendência de Iluminação de Maceió (Sima). Ainda de acordo com o prefeito, estavam no carro dois servidores efetivos que foram afastados do cargo até o fim da apuração do ocorrido.
  
  



 Não é possível entender como um movimento dessa magnitude ter sido monitorado por tão poucos policiais estando a maioria deles desarmados. Apesar do movimento haver iniciado aparentemente de forma ordeira, apesar de se considerar que todos têm liberdade de expressão e é um direito legítimo do cidadão defender seus direitos, entendemos que é importante mensurar a evolução dos movimentos sociais e proporcionar segurança aos agentes da lei, na ocasião em que estão agindo no estrito dever legal. Movimentos semelhantes a verdadeiras procissões, poderão por em risco às autoridades constituídas, o patrimônio, o patrimônio público, especialmente nossos monumentos históricos. entre os manifestantes estão pessoas de várias entidades, algumas delas de natureza radical. Ainda bem que as depredações e agressões foram orquestradas por grupos isolados, sem a adesão da massa. Se a massa tivesse acompanhado os baderneiros teria sido uma tragédia e o mais preocupante é que havia dezenas de policiais visivelmente desarmados e ficaram expostos à turba, inclusive foram agredidos. É uma desmoralização para o Estado, uma vez que eles eram seu representante.
http://extra.globo.com/noticias/rio/policiais
Uma simples passeata considerada como "pacífica" pode esconder um belo Cavalo de Tróia. Portanto, a polícia tem que estar preparada para os movimentos pacíficos e para o confronto. Não podendo ser surpreendida de calças curtas, sem meios de promover sequer a sua defesa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário